Santo-Tributo-pis-cofins-regime-monofasico1

PIS/COFINS regime monofásico: é obrigatório em empresas do Simples?

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on tumblr
Share on reddit
Share on telegram

O regime monofásico é uma exceção legal aplicada ao PIS e COFINS, que atingem a determinados setores da economia nacional, principalmente os que participam do Simples Nacional. 

A legislação tributária brasileira é reconhecida pelo seu alto grau de complexidade. Além dos impostos federais, estaduais e municipais, existe uma série de leis complementares e normatizações que se referem a determinadas atividades econômicas.

Leis e normas que podem ter prazo indeterminado, ou apresentarem caráter temporário, como uma ferramenta para estimular um determinado setor produtivo ou responder a crises econômicas cíclicas.

Esse cenário dificulta a compreensão do empreendedor sobre os tributos devidos e datas de recolhimento, contribuindo para que ocorram pagamentos indevidos ou mesmo sonegação de impostos. Se você participa do Simples Nacional, entenda mais sobre o PIS/Cofins monofásico.

O que é o regime monofásico? 

O regime monofásico é aquele que obriga a indústria ou importadora a recolher, no ato da venda, o imposto de toda a cadeia comercial, até o consumidor final. 

Na prática, isso significa que indústrias e importadoras pagam o PIS e a COFINS de sua operação e também o dos atacadistas e varejistas.

É aqui que geralmente os problemas ocorrem. É muito comum que os estabelecimentos que contam com produtos sob o regime monofásico, não realizem a dedução do imposto já pago no faturamento, levando a bitributação.

A minha empresa é obrigada a seguir o regime monofásico?

O PIS/COFINS monofásico é regulamentada por legislação específica e se aplica obrigatoriamente aos seguintes produtos:

  • Bebidas frias – água mineral, refrigerantes, isotônicos e cervejas;
  • Produtos de higiene pessoal, farmacêuticos e de perfumaria;
  • Combustíveis;
  • Gás de cozinha;
  • Autopeças.

Logo, como podemos perceber, a sua empresa é obrigada a seguir o regime monofásico nos produtos relacionados – o que não é uma coisa ruim, apenas exige atenção para que não pague impostos de maneira indevida, prejudicando seus ganhos.

Mesmo com o PIS e a COFINS dos produtos já recolhidos, muitos lojistas acabam não considerando o faturamento sem deduzir do que já foi pago na fonte. Dessa forma, acabam pagando mais que o devido ao Estado.

Como isso funciona na prática?

Para ficar mais claro de como isso ocorre, vamos supor que sua empresa, enquadrada no Simples, fature em vendas por ano R$ 750.000,00. 

Essa empresa paga 9,5% de impostos. Desse percentual, 1,21% é COFINS e 0,26% é PIS. Ou seja, dos 9,5% dos impostos, 1,47% já estão pagos na fonte.

Deduzir o pagamento do PIS/COFINS monofásico representa uma economia de cerca de 15% da carga tributária, ou, aproximadamente, R$ 11.000,00 por ano em um faturamento de R$ 750.000,00.

Se você está levando as mãos na cabeça e pensando que perdeu dinheiro durante esse tempo, fique tranquilo! É possível fazer a restituição do PIS/COFINS monofásico de até 5 anos.

 

 

Recuperando valores do regime monofásico

Em todos os regimes tributários, é possível solicitar a restituição de valores. Contudo, no Simples Nacional há maior probabilidade de obter a recuperação tributária, devido a maior simplicidade da informação.

Para solicitar a restituição, é preciso começar fazendo uma revisão tributária dos últimos 5 anos, buscando oportunidades de créditos. Essa busca é ser feita pelo XML das NF-E/SAT ou pela memória do cupom fiscal.

Depois disso, você deve relacionar as classificações que estão definidas na LEI 10.495 e comparar com o que levantou em sua operação, apurando se a restituição é devida.

Você pode realizar essa análise através de sistemas específicos que cruzam esses dados, ou utilizar o método PROCV, seguindo os seguintes passos:

  1. Comparar um ao outro;
  2. Analisar o que foi tributado;
  3. Retirar tributação duplicada;
  4. Retificar PGDA;
  5. Fazer o pedido de restituição.

Após a entrega do pedido, a Receita Federal conta com um prazo de 60 dias para retornar com o parecer. Em caso de deferimento, o pagamento pode ser realizado em forma de crédito para abatimento de PIS/COFINS ou em dinheiro.

 

A importância da assessoria tributária para empresas do Simples Nacional

A assessoria tributária faz a diferença nos resultados de qualquer empresa, sendo de especial importância para optantes do Simples Nacional.

Isso porque esses 2 modelos de negócio estão entre os que mais comercializam produtos abrangidos pelo PIS/COFINS Monofásico, que sem os devidos cuidados, leva a bitributação e prejuízos.

Além de evitar o transtorno de pagamentos indevidos futuros, uma boa assessoria tributária permite entrar com pedidos assertivos de restituição, contribuindo para o retorno financeiro de valores pagos indevidamente.

Em um mercado altamente competitivo, é fundamental contar com as melhores práticas de gestão, inclusive tributária, para conquistar os melhores resultados e se destacar da concorrência. 

Fique atento ao regime monofásico e conte com uma assessoria tributária profissional para ter uma melhor gestão nos pagamentos de tributos.

Quer saber mais sobre como a assessoria tributária pode ajudar o seu negócio a ir mais longe? Continue acompanhando nosso blog e fique de olho nas redes sociais para se atualizar de todas as nossas novidades.

Até a próxima!

 

Postado por Santo Tributo

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on tumblr
Share on reddit
Share on telegram

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Entre em Contato

Regime Tributário

Sua Empresa é: